Categoria: Economia

Timor-Leste acolhe “Fórum Econômico Global da CPLP” em fevereiro

O “Fórum Económico Global da CPLP” vai decorrer entre 25 e 27 de fevereiro de 2016, em Díli, Timor-Leste. Com acolhimento e organização da República Democrática de Timor-Leste, este primeiro fórum económico global tem o apoio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), da Confederação Empresarial da CPLP (CE-CPLP) e da União de Exportadores da CPLP (UE-CPLP). read more

Exportadores da CPLP dizem que solução para crise cambial é deslocalizar a produção

O presidente da União de Exportadores da CPLP considerou hoje que a melhor solução para evitar os efeitos da crise cambial em Angola e Moçambique é produzir localmente em vez de exportar para esses países.

“Temos de deixar de encarar cada vez mais os negócios entre países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) como um negócio em que um compra matérias-primas baixas, coloca valor acrescentado e repatria todo o dinheiro, e passar a pensar em estar no local, internacionalizar-se, deslocalizar as empresas”, disse Mário Frota. read more

Jovens empresários da lusofonia vão criar confederação empresarial

Associações de jovens empresários lusófonos assinam sexta-feira em Maputo um protocolo de intenções para a fundação de uma confederação, uma aliança para a criação de uma plataforma de oportunidades de pequenos negócios entre os membros da CPLP.

“O nosso principal objetivo é criar uma rede para promover oportunidades entre a CPLP [Comunidade de Países de Língua Portuguesa], levando para todos os países membros os nossos contactos”, disse à Lusa Júlio Vasconcelos, vice-presidente da Confederação Nacional de Jovens Empresários do Brasil, à margem do IV Congresso Lusófono de Empreendedores, que decorre desde quarta-feira em Maputo. read more

Bancos e seguradoras da CPLP juntam-se e preparam banco de desenvolvimento

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) está a preparar-se para criar um banco de desenvolvimento próprio. A união entre bancos, seguradoras e instituições (UBSIF) foi constituída no final de julho e é o ponto de partida para criar esta instituição multilateral, que pode contar com os nove membros da comunidade, as instituições financeiras e os grandes bancos de desenvolvimento como acionistas. “A CPLP, ao contrário de todos os outros, é o único bloco geopolítico sem um banco de desenvolvimento a financiar os Estados, as empresas e os bancos comerciais. Esta é uma falha de mercado que não tem de durar (nem irá) para sempre”, refere Francisco Almeida Leite, presidente da UBSIF, ao Dinheiro Vivo. Este banco poderá reforçar o principal objetivo desta união: “promover e dinamizar as relações entre as instituições suas associadas”. A UBSIF quer ser ainda a “porta de entrada nas relações multilaterais com instituições de países fora do eixo da lusofonia”. A participação de capital lusófono é um dos pontos mais importantes nos bancos da CPLP. Cada vez mais as instituições portuguesas têm investidores desta região. Empresas angolanas como a Sonangol e a Interoceânico, além da empresária Isabel dos Santos (através da holding Santoro), estão presentes no capital de BCP e BPI, respetivamente. A UBSIF quer que “seja mais habitual a ‘inter-participação’ com capital, garantias ou qualquer outro instrumento de investimento entre as instituições bancárias, seguradoras e financeiras da CPLP”. Fonte: Dinheiro Vivo

(Até o momento, houve 107 acesso(s) a esta página)