Selecionados projetos dos concursos nacionais DOCTV II e FICTV I

cplp-audiovisualO Programa de Fomento à Produção e Difusão de Conteúdos Audiovisuais (Programa CPLP Audiovisual) conclui a etapa de seleção de projetos dos Concursos Nacionais DOCTV II e FICTV I em Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Foram selecionados:
-09 projetos de documentários, onde cada projeto receberá € 50 mil como verba de produção;
-04 projetos de telefilmes de ficção baseados em adaptações de obras literárias nacionais, onde cada projeto receberá €150 mil como verba de produção;
-05 projetos de desenvolvimento de telefilme de ficção, onde cada projeto receberá € 40 mil como verba de desenvolvimento.

A seleção ficou a cargo de comissões nacionais formadas em todos os países participantes.

O Programa CPLP Audiovisual é coordenado pelo Secretariado Executivo da CPLP junto a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura do Brasil e o Instituto do Cinema e do Audiovisual de Portugal, sendo realizado em cada estado membro da CPLP por polos nacionais formados pelas autoridades nacionais do audiovisual e as respectivas televisões públicas.

Tendo sido iniciado em maio de 2015, com a realização da Oficina de Planejamento Executivo , em Lisboa, que contou com a participação ativa de todos os Estados-membros, o Programa CPLP Audiovisual implantou uma efetiva rede colaborativa de produção e distribuição de conteúdos audiovisuais de língua portuguesa, e tem por objetivo oferecer ás audiências internacionais, uma visão contemporânea da cultura e das sociedades no mundo de língua portuguesa.

Os realizadores e produtores executivos dos projetos selecionados participarão de uma Oficina de Desenho Criativo de Produção em Óbidos, Portugal, no próximo mês de janeiro de 2016, onde farão uma imersão de 80 horas para discussão de suas estratégias de realização junto a tutores artísticos e técnicos do quilate de Ruy Guerra, Eduardo Escorel, Luis Bolognesi, Fernando Vendrel, Artur Argum, Raquel Zangrandi, Patricia Faria, Maria João Mayer e Zita Carvalhosa. Ao final da Oficina de Óbidos, os projetos entrarão em produção simultaneamente durante 07 meses.

 

Polo
DOCTV CPLP II
FICTV CPLP I
Angola
Ango-Chi, de Rui Sérgio Afonso, produzido por Tchiloia Lara, Geração 80 Produções Lda.
O Calvário de Joceline, de Ngouabi Silva, adaptado da obra de Lito Silva, produzido por MIguel Óscar da Silva, Imagem Vip Comunicação
Brasil
Por Parte de Pai, de Guiomar Ramos, produzido por Giovanni Francischelli, da Doctela
A Felicidade de Margô, de Mauricio Acharto D’Almeida Eça, adaptado da obra de Drauzio Varella, produzido por Silvia Prado, Conteúdos Diversos Produções Ltda.
Cabo Verde
Canhão de Boca, de Ângelo Danilo Ferreira Monteiro Lopes, produzido por Samira Nobre de Oliveira Pereira Silva, O2
Xandinha, de Jean de Dieu Gomes, adaptado da obra de Antonio Aurélio Gonçalves
Guiné-Bissau
Paraíso Ameaçado, de Domingos Sanca, produzido por Victor Cassama, Guiné-Artes Produções, SARL
Coração Guiné, a Última Tragédia, de Mussá Baldé, adaptado da obra de Abdulai Silá
Guiné Equatorial
Orígenes, de Pedro Mba Ndong Nseng, produzido por Asociación Cinematográfica de Guinea Ecuatorial – ACIGE
Moçambique
Djambo, de Chico Carneiro, produzido por Francisco Queiroz Carneiro, Argus
O Dia em que Explodiu Mabata Bata, de João Luis Sol Carvalho, adaptado da obra de Mia Couto, produzido por Marieta Manjate, Promarte
Portugal
A Casa, de Rui Simões, produzido por Rui Simões, Real Ficção
A Casa Azul, de Cláudia Clemente, produzido por Rodrigo Jorge de Bastos Areias, Bando à Parte Lda.
São Tomé e Príncipe
Mudanças Climáticas em São Tomé e Príncipe, de Ramusel Alves de Carvalho da Graça, produzido por Gerson Pedro de Freitas Soares
Rosa do Riboque, de Afonso Januário, adaptado da obra de Albertino Homem Bragança
Timor-Leste
A Criança Roubada, de Lurdes Pires, produzido por Nívea Elisabeth C. do Reis, Díli Film Works
Esmeralda (Pérola) de Ilha Verde, de Olderico Antonio Viegas Barreto, adaptado da obra de Irta Sequeira Baris de Araújo e Vicente Paulino

 

Recordemo-nos que o lançamento mundial do Programa CPLP Audiovisual decorreu no próximo dia 23 de julho, em Díli. Com coordenação executiva da CPLP, do Instituto do Cinema de Portugal (ICA) e da Secretário dos Audiovisuais (SAV) do Ministério da Cultura do Brasil, o Programa CPLP Audiovisual baseia-se em três linhas de ação:

– II Programa de Fomento à Produção e à Teledifusão do Documentário da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (DOCTV CPLP II) – Prioriza sistemas de ações de capacitação, co-produção e teledifusão de documentários a partir de um modelo de operação em rede. Cada país participante co-produz um documentário nacional e as respectivas emissoras públicas de televisão promovem a teledifusão da série de documentários nacionais. Serão lançados concursos nacionais para a selecção de nove projetos inéditos de documentários de 52 minutos, com orçamento de 50 mil euros cada;

– I Programa de Fomento ao Desenvolvimento, Produção e Teledifusão de Obras de Ficção da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (FICTV CPLP) – Esta primeira edição tem duas linhas de acção: Serão lançados concursos nacionais para a Produção de telefilmes de ficção de 52 minutos, baseados em projetos inéditos de adaptação de obra literária nacional, em Angola, Brasil, Moçambique e Portugal, com orçamento de 150 mil euros cada. Serão lançados concursos nacionais para o Desenvolvimento de telefilmes de ficção, de 52 minutos, em Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, com orçamento de 40 mil euros cada e baseados em projetos inéditos de adaptação de obra literária nacional;

– I Programa de Intercâmbio de Teledifusão de Documentários (NOSSA LÍNGUA) – Englobando a partilha não comercial de conteúdos, fará a selecção de documentários não inéditos em cada um dos países integrantes da Rede CPLP Audiovisual. A série de documentários identificados será exibida pelas emissoras públicas de televisão em cada um dos Estados-membros da CPLP. O orçamento ascende a 240 mil euros, destinados a custear a legendagem e remasterização.

Os Polos Nacionais da Rede do Programa CPLP Audiovisual são:
– Angola: IACAM, Ministério da Cultura, Ministério da Comunicação Social e Televisão Pública de Angola;
– Brasil: Secretaria do Audiovisual e EBC;
– Cabo Verde: Ministério da Cultura, Rádio Televisão de Cabo Verde;
– Guiné-Bissau: Instituto Nacional de Cinema e Audiovisual e Televisão Guiné-Bissau;
– Guiné Equatorial: Ministério da Cultura e Turismo e RTVGE;
– Moçambique: INAC e Televisão de Moçambique;
– Portugal: ICA e Rádio e Televisão de Portugal;
– São Tomé e Príncipe: Direção Geral de Cultura e Televisão São-tomense;
– Timor-Leste: Secretaria de Estado do Turismo, Arte e Cultura e Radio Televisão de Timor-Leste.

O Programa CPLP Audiovisual conta com um orçamento de cerca de três milhões de euros e ambiciona contribuir para o intercâmbio cultural, para o aumento do conhecimento mútuo e para a implementação de políticas públicas integradas de fomento à produção e à teledifusão de conteúdos audiovisuais nos países da CPLP.

O Programa CPLP Audiovisual espelha os seus objetivos no Plano Estratégico e Plano de Ação para Cooperação Multilateral na Cultura, aprovado pela Reunião dos Ministros da Cultura da CPLP, realizada em 2014, em Maputo, Moçambique. Nomeadamente, nos eixos estratégicos: Industrias Culturais e Economias Criativas na CPLP; Diversidade de Expressões Culturais na CPLP e; Internacionalização da CPLP no Domínio da Cultura.

Fonte: CPLP.org

(Até o momento, houve 58 acesso(s) a esta página)